Estante: Memento Mori – Muriel Spark (2001)

Original em Raras Ideias

Resultado de imagem para Memento Mori - Muriel Spark

FORA DE CATÁLOGO

 ****

SINOPSE:

Memento mori é uma expressão latina que significa algo como “Lembre-se de que você é mortal”, “lembre-se de que você vai morrer”, ou traduzido ao pé-da-letra, “lembre-se da morte”. Este tipo de pensamento é muito utilizado dentro da literatura, principalmente na literatura barroca.

” Eles formam um grupo muito distinto de senhores e senhoras britânicos. Estão beirando os oitenta anos, mas só começam a desconfiar que a vida termina quando passam a receber estranhos telefonemas. “Lembre-se de  que vai morrer”, diz com serenidade uma voz masculina e desliga. O lembrete sobre a morte agita o cotidiano destes personagens idosos, que não têm nada de bons velhinhos. Entre eles incluem-se um fabricante de cerveja, sua irmã gorda e solteirona , sua esposa escritora, já meio caduca, um médico que coordena pesquisas geriátricas um tanto esquisitas, uma governanta pernóstica e um aposentado da Scotland Yard – e de repente é como se todos eles resolvessem dar um mergulho desvairado na vida. Usto é, nas águas passadas: eles vão tratar de pôr em dia as contas que guardavam na gaveta. Quem traiu?Quem foi traido ? E com quantos amantes ? Quem teve inveja ? Quem gostou de ser invejado? Quem fez o que não devia ? Que sapos continuam entalados na garganta ? Aproveite enquanto ainda dá tempo”, é o que parece lembrar a voz ao telefone. Carpe diem !, diz o memento mori. Foi com este romance lançado em 1959 e hoje im pequeno clássico, que a veneranda Muriel Spark se projetou como uma autora-chave da literatura contemporânea da língua inglesa.” (Texto de capa da Dição Brasileira da Planeta DeAgostini 2004)

Onde comprar: Estante Virtual (SEBO)

editora: Companhia das Letras
ano: 2001
estante: Literatura Estrangeira
peso: 360g

A AUTORA:

Resultado de imagem para Muriel Spark

Link para o site oficial

Dame Muriel Spark, (1 de fevereiro de 1918 em Edimburgo, 13 de abril de 2006 em Florença) foi uma romancista escocesa premiada. Em 2008, o jornal The Times inclui-a na lista dos 50 maiores escritores britânicos desde 1945.

Biografia

Muriel Sarah Camberg, filha de pai judeu e mãe anglicana – viveu com a família em Bruntsfield, área de Edimburgo, até 1937 -, educou-se pela James Gillespie’s High School, escola só para mulheres, e ensinou Inglês por um breve tempo para, a seguir, trabalhar como secretária em uma loja de departamento.Em 03 de setembro de 1937, casou-se com Sidney Oswald Spark, mudando-se para a Rodésia (atual Zimbábue) , onde nasceu seu filho Robin, em julho de 1938.Em 1940, Muriel separou-se de Sidney – por este ser maníaco depressivo e propenso a explosões violentas – abandonando Robin, que acabou criado por seus avós maternos, na Escócia. Contudo, manteve financeiramente o filho ao longo dos anos, mesmo já estando ele adulto.Em 1944, vivendo no Reino Unido, trabalhou para a inteligência britânica durante a Segunda Guerra Mundial. Após a guerra, Spark tornou-se escritora profissional e assinava, tanto os poemas, como as críticas literárias, com o nome de casada.Em 1947, trabalhou como editora da Review Poesy.Em 1954, converteu-se ao catolicismo, religião que considerou crucial para seu desenvolvimento como romancista. Em seu primeiro romance, The Comforters, publicado em 1957, já apareciam referências ao catolicismo e a sua própria conversão.

De suas obras, Primavera de Miss Jean Brodie (1961) foi a mais bem sucedida. Neste romance, Spark exibiu originalidade tanto no tema como na narrativa, utilizando-se de um narrador onisciente. Para essa obra – adaptada para o teatro e para o cinema, onde foi exibida com os títulos Primavera de uma Solteirona, no Brasil e Quando a Primavera Acaba, em Portugal -, a autora inspirou-se em sua adolescência e em quando estudou no James Gillespie High School, utilizado como modelo para descrever a Escola Marcia Blaine.Depois de viver em Nova York por alguns anos – onde surgiram rumores frequentes de relacionamentos lésbicos, constantemente negados por Spark e seus amigos – mudou-se para Roma em 1968, quando conheceu o artista e escultor Penelope Jardine, com quem conviveu maritalmente na vila de Civitella della Chiana, região de Toscana.

Em vida, Spark recusou-se a concordar com a publicação de uma biografia escrita por Martin Stannard. Em julho de 2009, porém, com a aprovação de Penelope Jardine, ela foi publicada.

Ao morrer, em 2006, por meio de medidas legais, deixou toda sua herança material e literária para Jardine, assegurando que o filho Robin – com quem teve uma relação bastante tensa – nada herdasse.

Entre seus prêmios destacamos: o James Tait Black Memorial Prize, em 1965, pelo romance The Mandelbaum Gate, e o David Cohen Prize, em 1997. Spark recebeu, também, o título de Dame da Ordem do Império Britânico em 1993, em reconhecimento aos seus serviços à literatura e, em duas oportunidades, foi finalista do Booker Prize (1969 e 1981).[2]

Principais obras traduzidas

  • Memento Mori – Companhia das Letras/Planeta DeAgostini – Brasil
  • Uma Escola Para A Vida – Ediouro – Brasil
  • O Banquete – Ed. Rocco- Brasil
  • Realidade e Sonhos – Ed. Rocco- Brasil
  • Razão de Deus – Círculo do Livro – Brasil
  • Um Eco Muito Distante – Ed. Rocco – Brasil
  • A Primavera da Srta. Jean Brodie – Ed. Rocco – Brasil
  • O Apogeu de Miss Jean Brodie – Ed. Ahab – Portugal

Bibliografia

  • The Comforters (1957)
  • Robinson (1958)
  • Memento Mori (1959)
  • The Ballad of Peckham Rye (1960)
  • The Bachelors (1960)
  • The Prime of Miss Jean Brodie (1961)
  • The Girls of Slender Means (1963)
  • The Mandelbaum Gate (1965)
  • The Public Image (1968) – Shortlisted for Booker Prize
  • The Driver’s Seat (1970)
  • Not to Disturb (1971)
  • The Hothouse by the East River (1973)
  • The Abbess of Crewe (1974)
  • The Takeover (1976)
  • Territorial Rights (1979)
  • Loitering with Intent (1981) – Shortlisted for Booker Prize
  • The Only Problem (1984)
  • A Far Cry From Kensington (1988)
  • Symposium (1990)
  • Reality and Dreams (1996)
  • Aiding and Abetting (2000)
  • The Finishing School (2004)

Outros Trabalhos

  • Tribute to Wordsworth (edited with Derek Stanford) (1950)
  • Child of Light (a study of Mary Shelley) (1951)
  • The Fanfarlo and Other Verse (1952)
  • Selected Poems of Emily Brontë (1952)
  • John Masefield (biography) (1953)
  • Emily Brontë: Her Life and Work (with Derek Stanford) (1953)
  • My Best Mary (a selection of letters of Mary Shelley, edited with Derek Stanford) (1953)
  • The Brontë letters (1954)
  • Letters of John Henry Newman (edited with Derek Stanford) (1957)
  • The Go-away Bird (short stories) (1958)
  • Voices at Play (short stories and plays) (1961)
  • Doctors of Philosophy (play) (1963)
  • Collected Poems I (1967)
  • Collected Stories I (1967)
  • The Very Fine Clock (children’s book, illustrations by Edward Gorey)(1968)
  • Bang-bang You’re Dead (short stories) (1982)
  • Mary Shelley (complete revision of Child of Light) (1987)
  • Going Up to Sotheby’s and Other Poems (1982)
  • Curriculum Vitae (autobiography) (1992)
  • Complete Short Stories (2001)
  • All the Poems (2004)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s